Saiba mais sobre a colostomia e a ileostomia


O que é uma ostomia?


Ostomia é um procedimento cirúrgico que consiste na abertura de um órgão oco como, por exemplo, algum trecho do tubo digestivo, do aparelho respiratório, urinário, ou outro qualquer, para que este possa manter uma comunicação com o meio externo.


O que é uma colostomia?


A colostomia é uma intervenção cirúrgica na qual se cria uma abertura artificial (estoma) no cólon, que é uma parte do intestino grosso, podendo ser temporária ou permanente. Esse procedimento faz com que uma parte do intestino fique exposta no abdome. A abertura criada será o local por onde sairão as fezes, que por sua vez serão armazenadas em uma bolsa coletora.

É indicado, principalmente para descomprimir, drenar, aliviar tensões de anastomoses intestinais e proteger suturas de um órgão danificado, no caso o intestino grosso, Evitando que as fezes passem pelo local operado antes da cicatrização completa, evitando-se infecções nos pontos de sutura.

Tipos de colostomia

O que é uma ileostomia?


A ileostomia é uma intervenção cirúrgica na qual se uma abertura artificial (estoma), mais especificamente no íleo (intestino delgado), podendo ser temporária ou permanente. Essa abertura será o local por onde sairão as fezes que serão armazenadas em uma bolsa coletora. Na ileostomia, as fezes são mais líquidas, uma vez que a absorção da água durante a digestão só ocorre no intestino grosso.

É realizada por qualquer motivo que impeça a passagem das fezes pelo intestino grosso, sendo frequentemente realizada nos casos intratáveis de colite ulcerosa, doença de Crohn e carcinoma de cólon. Como a ileostomia drena constantemente o conteúdo liquido intestinal, a absorção de gordura e de vitamina B pode ficar comprometida.


Em que casos a realização de uma ostomia torna-se necessária?


Existem várias doenças cujo agravamento pode levar as pessoas a serem submetidas a uma cirurgia para a construção de uma ostomia. Câncer de cólon e reto, retocolite ulcerativa, doença de Crohn, doença de Chagas e perfurações causadas por armas de fogo ou objetos pérfuro cortantes são as mais comuns.


Quando um paciente com doença de Crohn ou colite ulcerativa deve recorrer a estas cirurgias?

Em geral, os médicos só recomendam intervenções cirúrgicas para pacientes portadores de doença de Crohn quando há falha no tratamento clínico ou complicações agudas e crônicas relacionadas à doença. O objetivo do tratamento cirúrgico é sempre melhorar os sintomas e ao mesmo tempo preservar o comprimento intestinal e a função absortiva.


Ileostomia e colostomia para pacientes com colite ulcerativa


O tratamento da colite ulcerativa, na maior parte dos casos, é medicamentoso, mas se houver uma falta de resposta às drogas ou a recorrência de crises não controláveis por meio da ingestão de medicamentos, os médicos podem recorrer a cirurgias como a ileostomia ou a colostomia para garantir, ao mesmo tempo, a preservação das paredes do intestino e os processos digestórios do paciente.


Colostomia para pacientes com doença de Crohn


A doença de Crohn, quando em atividade, pode determinar um processo inflamatório que culmina com a formação de fistulas ou estreitamentos no intestino. Geralmente, quando isso ocorre, é necessário desviar o trânsito intestinal, seja de maneira definitiva ou provisória. É aí que entram a ileostomia e a colostomia. Quando o agravamento da doença de Crohn causa hemorragias, quadros de oclusão intestinal e abcessos com o aparecimento de fístulas a região ao redor do ânus e intestino grosso, os médicos geralmente recorrem a colostomia para garantir a saída de fezes e gases sem que o paciente tenha precise lidar com fortes dores abdominais.


Ileostomia para pacientes com doença de Crohn


A ileostomia é indicada quando o paciente apresenta complicações agudas como enterorragia de vulto e a perfuração. A enterorragia consiste numa hemorragia intestinal. Trata-se de uma complicação rara da doença de Crohn envolvendo o intestino delgado e a região íleocecal, porém mais comum na presença de colite extensa. A perfuração, por sua vez, consiste no enfraquecimento e consequente abertura da parede intestinal devido a inflamação crônica ou ulceração. Pode se apresentar como livre para cavidade peritoneal ou contida, envolvendo abscessos e fístulas intra-abdominais. Em ambos os casos, a cirurgia é recomendada para proteger as regiões afetadas, impedindo a passagem de fezes antes da sua cicatrização.


Bolsas e adesivos de ostomia


Cuidados necessários



Um paciente ileo ou colostomizado precisa tomar cuidados especiais. Existem no mercado bolsas coletoras desenvolvidas especialmente para dar maior conforto e qualidade de vida a essas pessoas, para que elas possam sair de casa e exercer suas atividades sem maiores preocupações. Para levar uma vida normal, é necessário, basicamente, que o local onde foi feita a cirurgia seja bem cuidado, higienizado e constantemente inspecionado, para evitar infecções. As bolsas devem ser guardadas em locais limpos, secos e protegidas do sol para evitar umidade e ressecamento que comprometam a sua capacidade adesiva. A demanda por maior qualidade de vida entre pessoas ileo ou colostomizadas é tão grande que, atualmente, existem diversos serviços que oferecem apoio logístico, psicológico e social para estes pacientes.

Materiais e websites interessantes tanto para informação quanto para apoio:

Brasil:

Cartilha do Jovem Ostomizado 
Website Ostomizados com bastante informação 

Portugal: 

Website Consulta de Ostomizados 
Instituto de investigação, formação e desenvolvimento social 

Caso vocês conheçam sites de grupos de apoio avise-nos para colocarmos aqui. Obrigado







0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.