Sofrendo com gases?



Esse tema geralmente é cercado de vergonha, mas é fato: todo mundo vai “sofrer” pelo excesso de gases pelo menos uma vez na vida. É comum na população em geral, não só nos portadores de doenças inflamatórias intestinais. Mas vamos aprender meios de melhorar esse incômodo! E nem é só o incômodo da eliminação dos gases. Quando eles ficam “retidos” ali também incomoda bastante. Sabe quando a barriga fica inchada e dura (distensão abdominal)? Então... pode ser gases. O excesso de gases também pode favorecer o aumento dos movimentos intestinais proporcionando desconforto abdominal.





Quais as causas dos gases?


Os gases intestinais podem ser originados do ar que engolimos (e esse é um dos motivos pelo qual insistimos tanto para mastigar beeem os alimentos) ou do processo de fermentação de restos alimentares pelas bactérias que habitam o intestino. Na maioria das vezes é causada pelos carboidratos não digeridos que acabam sendo fermentados. Nos portadores de doença inflamatória intestinal essa causa é ainda mais comum, pois a digestão já costuma estar dificultada.

Existem alguns outros motivos. Por exemplo, se pacientes com intolerância a lactose ou glúten consumirem algum alimentos que contenha essas substâncias, a digestão não será satisfatória e poderá haver excesso de peso (e outros sintomas mais graves, como dor e diarreia). Alguns medicamentos (como alguns antibióticos e para tratar diabetes) também podem favorecer ao aparecimento do excesso de gases.

Hoje em dia as pessoas estão comendo muitos doces, que são carboidratos. Eles estão intimamente relacionados com o excesso de gases. Então vamos pegar leve nos doces.

Outros fatores que propiciam ao excesso de gases:

Dicas:     



- Mastigação ineficiente.
            Solução: Mastigar, no mínimo, 20 vezes cada garfada∕colherada.
- Comer rápido.
            Solução: um tanto óbvia: comer lentamente! Mastigar devagar, engolir com calma...
- Falta de enzimas digestivas.
            Solução: se você já sabe que te falta alguma enzima (exemplo: a lactase, no caso da intolerância a lactose), evite os alimentos que precisam dela para serem digeridos.
- Alterações do pH local.
            Solução: aí e com seu médico. Talvez seja necessário algum medicamento ou outro tratamento.
- Estado emocional.
            Solução: sempre falamos que o intestino está intimamente ligado ao cérebro. Se a sua cabecinha não está bem, o intestino também não vai ficar. E isso tudo vai alterar sua digestão.
- Comer na frente da TV ou em ambiente muito agitado.
            Solução: coitado do seu organismo! Ou ele se preocupa com a digestão ou ele presta atenção na televisão ou ele pensa se vai gritar pra ter paz! Façamos uma coisa de cada vez!
- Sedentarismo.
            Solução: o sedentarismo deixa o trânsito intestinal lento. Ficar muito tempo sentado também. Portanto, mexa-se! Em quase todos os tópicos falamos dos inúmeros benefícios da atividade física.
- Trânsito intestinal lento
            Solução: nesse caso deve-se saber o que está levando à lentidão do trânsito intestinal. Isso pode acontecer nas doenças inflamatórias intestinais. E aí os restos alimentares ficam mais tempo no intestino e há maior exposição às bactérias e fermentação.
- Outras: secreção excessiva de muco, crescimento anormal de bactérias, trânsito acelerado do intestino delgado, má assimilação alimentar.


E porque tem um odor tão desagradável?


 

O mau cheiro deve-se basicamente ao tipo de alimento ingerido e também pode ter influência das bactérias que habitam normalmente os intestinos. Cada caso é um caso.

Alimentos que contém enxofre costumam causar mau cheiro. Alguns deles são repolho, couve, nabo, ovo, rabanetes e algumas conservas.
Outras substâncias também causam o mau cheiro como amônia, mercaptanas, aminas voláteis, escatole e ácidos graxos de cadeia curta.


Tem tratamento?


Tem, claro! E 4 formas de tratamento, inclusive. Vamos a elas!

Tratamento 1: Prevenção da aerofagia (engolir muito ar)

  • Acompanhamento médico: traçar objetivos e reeducar-se.
  • Prevenir a tensão: descanse! Durma bem, descanse, relaxe, tire férias.
  • Corrigir hábitos: mastigar bem, comer devagar, diminuir ingestão de doces, evitar bebidas gasosas e não fumar.
  • Quando for beber algo, incline bem o copo e prefira os de boca larga.
  • Tratar doenças associadas ao excesso de gases e o nervosismo.

Tratamento 2: Restrições alimentares

  • Observar intolerância a determinados alimentos e, se houver, não ingeri-los.
  • Evitar os “alimentos-bomba”:

Alimentos Bomba
- Leite e creme de leite.
- Café, chá preto, chá mate e chá verde.
- Pães com miolo e pães muito fermentados (pão caseiro, panetones, croissants), biscoitos doces, biscoitos recheados, biscoitos amanteigados.
- Verduras e legumes fermentativos: acelga, alho cru, batata doce, beterraba, cebola, brócolis, couve-flor, couve-manteiga, pepino, pimentão, rabanete e repolho.
- Frutas fermentativas: ameixa, banana nanica ou ouro, caju, caqui, goiaba com semente, jabuticaba, jaca, melancia, melão, morango e uva.
- Tortas e massas com muito fermento ou muito gordurosas.
- Leguminosas: feijão, ervilha, lentilha, grão de bico, milho, soja.
- Carnes gordas.
- Frios e embutidos: bacon, linguiça, mortadela, salame, presunto, salsicha.
- Bebidas alcóolicas e gasosas (refrigerantes e água com gás).
- Açúcar, doces e bolos.
- Chicletes e balas.
- Chocolate e achocolatados.
- Condimentos: catchup, molho shoyo, molho inglês, mostarda, picles, pimenta do reino e pimenta vermelha.
- Sopas industrializadas, temperos prontos em pó, caldo de carne industrializado.
- Frituras, alimentos a milanesa, banha e gorduras em geral.

Temos a solução disso também. Segue agora uma tabela com alimentos que não produzem gases ou produzem em menos quantidades e, portanto, vc pode consumi-los.
Alimentos que produzem menos gases
- Café descafeinado.
- Leite de soja, sucos de frutas.
- Torradas, biscoito salgado com pouca gordura.
- Pães: integral, sírio e francês sem miolo.
- Queijos magros: cottage, minas, ricota.
- Sopas caseiras.
- Carnes magras, cozidas, grelhadas ou assadas.
- Verduras cozidas ou refogadas.
- Legumes cozidos: abóbora, abobrinha, batata, berinjela, cará, cenoura, chuchu, cogumelo, inhame, batata baroa∕mandioquinha.
- Frutas cruas ou cozidas: banana maçã, laranja lima, maçã, mamão, pêra, nectarina e pêssego.
- Gelatina.
- Temperos como azeite, limão, salsa, sal, vinagre.


Tratamento 3: Supressão da formação de gás

  • Educar o intestino e evitar laxativo.
  • Antiácidos e anticolinérgicos (seu médico que vai receitar se houver necessidade).
  • Antibióticos se houver crescimento anormal de bactérias (também só se o médico recomendar).
  • Suplementos enzimáticos.

Tratamento 4: Alívio dos sintomas

  • Medicamentos (a critério médico).
  • Atividade física.
  • Massagem no abdome.
  • Antiácido.
  • Evitar excesso de calor.
  • Tranquilidade.

0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.