Dispepsia


O que é dispepsia?


Dispepsia é o termo médico para a famosa "má digestão", também conhecida como "indigestão". É considerada uma doença crônica benigna e costuma aparecer em períodos de maior estresse. Sua ocorrência está relacionada, sobretudo, à má alimentação ou alimentação em excesso, sendo muito comum em todo o planeta e podendo atingir até 25% da população em alguma fase da vida. Sua forma mais comum não implica em nenhuma alteração anatômica no trato gastrointestinal, sendo, portanto, um problema funcional.


Qual a diferença entre dispepsia, azia e úlcera



Embora muita gente confunda a dispepsia com a azia, elas são coisas diferentes. Enquanto a primeira é uma doença crônica, a segunda é apenas o mal estar provocado pelo retorno do ácido do estômago para o esôfago. Já a úlcera é o nome genérico dado a quaisquer lesões superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do corpo como estômago, boca e duodeno. Em alguns casos, a dispepsia pode sinalizar a existência de uma úlcera.


Quais os sintomas da dispepsia?



A dispepsia caracteriza-se principalmente pela dor crônica ou recorrente no abdômen superior e sensação precoce de saciedade durante a alimentação. Esses sintomas podem ser acompanhados de distensão abdominal, eructação (arrotos), náuseas, sensação de calor, queimação ou dor nas áreas entre o umbigo e a parte inferior do esterno.


Causas da dispepsia



Sua causa está relacionada à doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) ou gastrite, mas em menor escala pode ser o primeiro sintoma de uma úlcera péptica (uma úlcera localizada no estômago, esôfago ou duodeno) e, ocasionalmente, de um câncer na região gastrointestinal. Por isso, quando uma pessoa com mais de 55 anos que nunca apresentou sintomas de dispepsia ao longo da vida manifesta dores abdominais recorrentes após as refeições, os médicos costumam requerer exames mais específicos para verificar se há outras doenças relacionadas.

A indigestão também pode ser causada por questões externas relacionadas à alimentação e ao estilo de vida como excesso de álcool, alimentos condimentados, gordurosos ou gordos, comer rápido demais, estresse emocional ou nervosismo, excesso de cafeína, tabagismo e excesso de alimentos com alto teor de fibra. Internamente, pode ser provocada pela presença da bactéria H.pylori, de cálculos biliares, gastrite (quando o revestimento do estômago inflama ou incha), inchaço do pâncreas (pancreatite), úlceras (estomacais ou intestinais) e o uso de determinadas drogas como antibióticos, aspirina e drogas anti-inflamatórias não esteroides (AINE).


Como é feito o diagnóstico



Além da dor ou desconforto na parte superior do abdômen, a dispepsia pode ser diagnosticada pela ausência de alterações em exames como a endoscopia e pela exclusão da possibilidade de haver síndrome do intestino irritável. Para se realizar a exclusão de causas orgânicas necessárias para o diagnóstico da dispepsia, são realizados diversos exames laboratoriais e de imagem. Dentre os mais importantes estão: a endoscopia digestiva alta, capaz de afastar causas orgânicas como úlceras e tumores, a ultrassonografia abdominal, responsável por afastar causas biliares, inflamatórias e tumorais, o hemograma, que pode sugerir a presença de anemia, leucocitose, plaquetose ou eosinofilia e o protoparasitológico que pode indicar a incidência de parasitoses intestinais.


Tratamento e Prevenção



A priori, a indigestão não é um problema de saúde grave, a menos que esteja acompanhada de outros sintomas ou que o dia a dia do indivíduo seja diretamente afetado com perda de peso ou dificuldade para engolir os alimentos. Em todo caso, é importante buscar orientação médica caso os sintomas sejam recorrentes.

O importante é saber que, apesar do enorme desconforto causado pelas dores abdominais, é possível levar uma vida saudável apenas mudando os seus hábitos alimentares. Os médicos recomendam que as refeições sejam feitas sempre em ambiente calmo e com tempo suficiente para que os alimentos sejam completamente mastigados com cuidado e suficientemente, também que sejam evitadas atividades físicas e excitação logo após uma refeição e que se evite aspirina e outras drogas anti-inflamatórias não esteroides (AINE). Se tiver que tomá-las, faça-o sempre com o estômago cheio.

Os famosos antiácidos disponíveis no mercado podem aliviar a indigestão. Já os medicamentos que você pode comprar sem receita, como ranitidina (Zantac) e omeprazol (Prilosec OTC) também podem aliviar os sintomas da má digestão, mas nesse caso o seu médico pode receitar esses medicamentos em doses mais altas ou por períodos de tempo mais longos. Evite a automedicação e procure sempre orientação médica.


Se os sintomas da dispepsia incluírem dor na mandíbula, dor no peito, dor nas costas, sudorese abundante, ansiedade ou sensação de morte iminente, procure ajuda médica imediata. Estes sintomas podem indicar a iminência de um ataque cardíaco.

Leia também:   Gastrite; RefluxoÚlcera Péptica
                        

0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.