Novo tratamento para colite ulcerativa pode vir de medicamentos usados para tratar leucemia.



Um medicamento atualmente no mercado para tratar leucemia reverteu os sintomas da colite em testes de laboratório de acordo com resultados publicados recentemente por pesquisadores da área médica da Universidade de Alberta.

O pesquisador e doutor Shairaz Baksh da Faculdade de Medicina e Odontologia de Alberta, Canadá, publicou a descoberta de sua equipe na revista PLOS ONE.

A sua equipa descobriu também que um gene supressor tumoral pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de colite. Quando este gene para de funcionar ou está faltando, o processo de inflamação é acionado e o corpo perde a habilidade de reparar o tecido danificado do cólon. Isto leva a um grande desconforto e a uma recuperação dificultada seguindo surtos de inflamação. A inflamação persistente é prevalente na doença inflamatória intestinal, como a doença de Crohn e a colite ulcerativa.

Dr. Baksh e sua equipe verificou se eles poderiam interferir no processo inflamatório e estimular o organismo a reparar o tecido danificado fazendo com que a a doença fosse menos severa e que os pacientes pudessem se recuperar mais rapidamente dos sintomas. A equipe de pesquisadores usou um medicamento que está no mercado há anos e é usado para leucemia, chamado imatinib/Gleevec, para tratar ratos saudáveis e ratos que estavam faltanto o gene supressor de tumores.

"O tratamento reverteu os sintomas da colite ", disse Dr. Baksh. "Estamos à beira de um novo tratamento para esta condição que afeta 150 mil canadenses. Estamos muito animados sobre o impacto desta descoberta.”

"Estamos tentando inibir a colite impedindo a inflamação que está causando o dano. Mais importante ainda, por meio do controle ou prevenção da inflamação pode-se reduzir a probabilidade desses pacientes com colite ulcerativa desenvolverem câncer colorretal mais tarde na vida. Cerca de metade deles desenvolvem este tipo de câncer devido à inflamação crônica.”

"Nossos resultados também sugerem que podemos ter identificado novos biomarcadores para o aparecimento e progressão da doença inflamatória intestinal."

Os pesquisadores continuarão a trabalhar nesta área e descobriram que outros medicamentos atualmente no mercado tem o mesmo efeito na redução dos sintomas da colite em camundongos. Ele espera publicar os resultados do novo estudo de medicamentos em breve, e suspeita que um novo tratamento para a colite pode ser uma combinação de dois ou três medicamentos já existentes no mercado.

Uma terapia combinada de diferentes medicamentos precisaria ser submetida a novos testes em laboratório, mas poderia ir a ensaios clínicos em cerca de cinco anos desde que os medicamentos já estejam aprovados.

Cerca de 0,5 por cento dos canadenses tem colite. O Canadá é o país com a maior incidência do mundo e em Alberta é maior do que em outras províncias. Os estudos estão em andamento para identificar os lugares de maior incidência na província. Genética, dieta e ambiente, respectivamente, desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença. Os sintomas da doença inflamatória intestinal incluem perda de peso, sangramento retal e dores abdominais. Os pacientes com a condição podem ter partes do cólon ulceradas e inflamadas o que pode causar um grande desconforto .

Baksh examina a ligação entre inflamação e câncer. Cerca de um terço dos cânceres iniciam-se devido à inflamação crônica , diz ele. Por exemplo, cerca de 40 a 50 por cento dos pacientes com colite ulcerativa (uma forma de doença inflamatória intestinal) pode vir a desenvolver câncer colorretal; aqueles com bronquite crônica são propensos a desenvolver câncer de pulmão; e pancreatite aguda muitas vezes leva ao câncer pancreático. Por isso, há uma grande necessidade de compreender como a inflamação é uma "pré- condição " para o câncer, diz Dr. Baksh .

Baksh é um pesquisador do Departamento de Pediatria, do Departamento de Bioquímica e da Divisão de Oncologia Experimental da Universidade de Alberta.

Sua pesquisa foi financiada pela Alberta Innovates – Health solutions, o Hair Massacure e o Canadian Institutes of Health Research.

Tammy MacDonald, que fundou o Hair Massacure e ajudou a financiar a pesquisa , falou sobre o diagnóstico de um membro jovem de sua família que descobriu ter leucemia em 2000 - um diagnóstico que teria sido uma sentença de morte no passado.

"Hoje, devido à investigação em curso e os ensaios clínicos, as chances de tratamento de muitos tipos de câncer tem aumentado significativamente. Ainda assim, não encontramos a cura, mas acreditamos que ao ajudar a continuação da pesquisa, inevitavelmente nos levará até lá.


"Dr. Baksh é o nosso pesquisador escolhido. Estamos extremamente gratos pela sua experiência, paixão e responsabilidade. A descoberta do Dr. Baksh e o seu interesse em colite e doenças inflamatórias intestinais  no que se refere a fatores pré -cancerígenos acrescenta uma abordagem mais completa para buscar tratamentos proativos que possam vir a prevenir o câncer."

0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.