Nutrição e a doença inflamatória intestinal



É muito comum ouvirmos que os portadores de doenças inflamatórias intestinais devem ter uma dieta muito restritiva, não podem comer muitas coisas etc. Mas esse pensamento é errado. 

No geral, a alimentação desses pacientes deve ser como a de qualquer outra pessoa: mais saudável possível. Assim como uma alimentação ruim faz mal para uma pessoa sadia, para uma pessoa com DII ela também fará mal. A diferença é que os portadores de doença inflamatória intestinal sentirão muito mais e, como já sabemos que ela pode atingir toda a extensão do trato digestório, temos que ter muito cuidado com a alimentação!

De fato já percebemos que a alimentação tem grande impacto no controle da doença, podendo não só ajudar a recuperar mais rapidamente nos períodos de crise, como até mesmo espaçar esses períodos.

Mas o que posso comer então? Bom, cada organismo funciona de um jeito, então você deve procurar o nutricionista para saber quais suas necessidades. No entanto, vamos dar algumas dicas. As restrições alimentares que você deve fazer são as mesmas que todo mundo, ou seja, reduzir o consumo de gorduras, sal e açúcares simples. Algumas pessoas podem desenvolver tolerância a alguns alimentos e, nesse caso, esse alimento deve ser excluído da dieta. O mais comum é o leite, por causa da lactose.

Como já foi dito, a dieta é muito individualizada e tudo que você come vai afetar seus intestinos de algum modo. Algumas pessoas podem ter a forma estenosante da doença e aí terão que reduzir o consumo de fibras. Já os pacientes que precisaram passar por cirurgia para ressecção de alguma parte do intestino deverão ter cuidado também com a alimentação para que não haja falta de nutriente e também para promover o bem estar.

Durante a fase ativa, da mesma forma que alguns alimentos poderão torná-la mais grave, outros ajudarão a aliviar os sintomas e a recuperar-se mais rápido. Nessa fase também, devido à diarreia, há muita perda de água e eletrólitos e é de suma importância que se faça a reposição destes.

Ainda na fase ativa costuma haver muita falta de apetite e o paciente não consegue comer o suficiente para suprir suas necessidades. Em alguns casos, pode ser necessária a nutrição enteral, na qual um tubo super fino é colocado no nariz e vai até o estômago ou intestino e, através dele, conseguimos fornecer os nutrientes necessários. E, em casos mais sérios, faz-se uso da nutrição parenteral, realizada em ambiente hospitalar, e consiste em alimentação por via intravenosa. Mas nem todo mundo precisa fazer uso dessas vias alternativas de alimentação. Ainda que você esteja na fase ativa e sem apetite, faça uma forcinha e tente se alimentar o melhor que puder. Dê preferência aos alimentos que goste mais e aos líquidos como sucos e vitaminas por serem de mais fácil digestão.
          
Durante a fase de remissão, a alimentação é normal. Porém, pelo próprio caráter inflamatório da doença e como efeito de alguns medicamentos, o organismo vai perdendo ou diminui a absorção de nutrientes importantes, como cálcio, vitamina D, proteínas e algumas vitaminas. Então é necessário o acompanhamento contínuo para evitar essas deficiências nutricionais.

Mais a frente iremos especificar mais sobre a alimentação. Por enquanto estamos tendo uma visão geral, mas depois falaremos de cada nutriente, de casos específicos da doença etc..

Devemos estar conscientes de que a boa alimentação é parte indispensável desse processo para manter sua doença controlada e reduzir os sintomas e atenuar as crises. 

0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.