Diarreia e agora? 



Há alguns dias falamos sobre a constipação neste post. Hoje iremos abordar sobre a diarreia, um dos sintomas mais frequentes nos portadores de doenças inflamatórias intestinais.

A diarreia é a mudança no hábito intestinal que implica em aumento no peso das fezes, aumento na quantidade de líquidos nas fezes e aumento da frequência de evacuações. Podem estar presentes uma ou todas essas características. A diarreia ocorre quando há excesso de fluido nas fezes por anormalidades na secreção ou absorção e pode ser classificada em:


  1. Diarreia osmótica: ocorre quando há no intestino grande quantidade de moléculas solúveis em água. A causa mais frequente é uso de laxativos e má absorção de carboidratos.
  2. Diarreia secretória: o intestino é capaz de secretar fluidos. Essa diarreia ocorre quando há aumento dessa secreção de fluidos e isso é causado por vírus, enterotoxinas bacterianas, neoplasias, ácidos graxos de cadeia longa, ácidos biliares e catárticos.
  3. Diarreia exsudativa: essa é que ocorre nas doenças inflamatórias intestinais. Nela ocorre exsudação de proteínas do soro, sangue, muco ou pus a partir de áreas inflamadas ou de áreas ulceradas. Também ocorre na parasitose (giardíase) e colite induzida por antibióticos.
  4. Diarreia motora: os mecanismos envolvidos são o trânsito intestinal acelerado, causando inadequada mistura do alimento com as enzimas digestivas e o pouco contato com a superfície absortiva por ressecção intestinal ou fístulas entéricas.

Um assunto importante a ser abordado nesse sentido é a causa da diarreia. Normalmente os pacientes tem o costume de sempre associar a causa da diarreia à doença, mas é bom lembrar que também estão sujeitos a uma simples gastroenterite, intoxicação alimentar e até parasitose. Por isso é tão importante seguir as normais de higiene no preparo e conservação dos alimentos, além da higiene pessoal. Existe o problema de que, nesses pacientes, as consequências podem ser mais graves do que numa pessoa com intestino saudável.



Além de infecções de origem alimentar, podem ocorrer infecções associadas ao uso recente de antibióticos ou infecções facilitadas pelo uso crônico de corticoides. Por esse e outros motivos jamais se automedique. A própria atividade da doença reduz a absorção dos alimentos e causa diarreia e, nesses casos, a medicação habitual poderá ter que ser ajustada.


Por que a diarreia acontece?


Normalmente, os alimentos e os líquidos seguem do estômago até o intestino delgado, onde os nutrientes e água serão absorvidos e, então, seguem para o cólon, onde os restos não digeridos podem ser “armazenados” e, mais tarde, eliminados nas fezes.

Algumas situações como, no nosso caso, a inflamação do intestino, úlceras, estenoses, mas também intoxicações e infecções podem impedir o funcionamento normal do intestino (delgado ou cólon), afetando a taxa de absorção dos nutrientes e da água.

O movimento normalmente lento e em ondas do intestino torna-se hiperativo, conduzindo os líquidos e os alimentos de forma rápida até o cólon. Isto tem como consequência o aparecimento das fezes aquosas. Por isso que o termo diarreia vem da palavra grega “diarrhoia”, que significa “corrente”.

Como agir se tiver diarreia?


Devemos tentar descobrir a real causa da diarreia, se realmente é por causa da doença ou algum outro motivo como citamos acima. 

- Verifique se você está com febre, dor abdominal e outros sintomas típicos da doença.
- Registre quais medicamentos você usou recentemente e se ingeriu algum alimento ou bebida que não sejam habituais. Caso você tenha ingerido alguma coisa diferente e estava acompanhado, procure saber se as outras pessoas também passaram mal.
- Aumente a ingestão de água. Hidrate-se! Em farmácias há soluções para hidratação oral e podem ser usadas. 
Mas atenção. Não beba grandes quantidade de uma só vez. O certo é beber pequenas porções várias vezes ao dia.
- Siga as orientações nutricionais abaixo:
                                     
                                  
          
                                    

                                    EVITAR  


- Mesmo que você não tenha intolerância a lactose suspenda temporariamente a ingestão de leites e derivados.
 - Sucos concentrados (em pó, de garrafinha, caixa etc).
- Vegetais com fibras (principalmente com legumes e verduras crus, frutas com casca, semente e bagaço).
- Alimentos integrais (pão, biscoito, arroz, bolo).
- Bebidas alcoólicas.
- Doces e alimentos com grande concentração de açúcar.
- Alimentos gordurosos e frituras.
- Algumas substâncias tais como cafeína, manitol, sorbitol, xilitol e ameixa são laxativas. Fique de olho nos rótulos dos alimentos para evitá-los.
- Bebidas gaseificadas (água e refrigerantes).
- Conservas e condimentos.
- Ovo, principalmente a gema.
- Frutas que tem efeito mais laxativo: ameixa, mamão, kiwi, abacaxi, figo, amora, abacate, uva.



                                    PREFERIR                 



- Alimentos bem cozidos.
- Arroz branco.
- Batata inglesa e mandioca∕aipim, inhame, chuchu.
- Preparações com amido de milho, fécula de batata e maisena.
- Carnes magras: peixes, frango sem pele e gordura, carnes vermelhas magras e sem gordura visível.
- Legumes cozidos.
- Frutas constipantes: maçã sem casca, banana, caju, goiaba, limão.


 Para finalizar, segue uma receita de soro caseiro que vai te ajudar a hidratar-se. Além dele, uma ótima (e deliciosa opção) é a água de côco, mas prefira a natural. Essas de caixinhas perdem muitos nutrientes.

1 litro de água
1 colher (chá) rasa de sal
2 colheres (sopa) cheias de açúcar



Você também pode fazer á “água de arroz”, pois ela é constipante. Segue a receita:

Cozinhar 2 colheres (sopa) de arroz em 1 litro de água. Deixe ferver até a água estar reduzida pela metade, retire o arroz e complete com água fervida até perfazer 1 litro novamente.
Existem nos mercados um produto chamado “creme de arroz”. Você também pode misturá-lo com água pra tomar.
Se você não gostar do sabor, bata essa água com uma fruta constipante (goiaba e caju) como se fosse um suco.
 

3 comentários:

  1. 1 litro de água
    1 colher (chá) rasa de sal
    2 colheres (sopa) cheias?

    ReplyDelete
    Replies
    1. 2 colheres (sopa) de açúcar, Alexandre

      Obrigado

      Delete
  2. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.