As 10 doenças mais doloridas


Nós sabemos que cada um sabe a dor que carrega, mas cientistas quiseram mensurar quais doenças causariam mais dor e, para isso, elaboraram escalas para quantificar a dor. Já adiantamos que a doença de Crohn está entre elas! Veja o resultado:



10) Doença de Crohn


Uma das doenças inflamatórias intestinais mais conhecidas, a doença de Crohn pode provocar sérias dores em seus portadores, além das complicações. Mas se você não sente dor não se preocupe: a dor não é regra; nem todo paciente vai senti-la.


9) Enxaqueca


De cada 4 pessoas que sofrem de dor de cabeça, 1 pode ser caso de enxaqueca. A pior parte sobre as dores da enxaqueca é que ela pode ser desencadeada por qualquer coisa e sem aviso prévio. Isso significa que você pode acordar bem e, algumas horas mais tarde, desencadear uma enxaqueca e todo seu dia se vai tentando aliviar a dor pulsante.

Os sintomas mais comumente associados à enxaqueca são dores de cabeça pulsantes (como se os nervos fossem estourar), náuseas, vômitos e sensibilidade à luz. É uma doença neurológica crônica e pode ter um efeito sobre a metade do cérebro. Pode durar de 2 até 72 horas.


8) Artrite


A artrite não é só dolorosa, mas é dolorosa mais de 100 formas diferentes: existem mais de 100 formas de artrite reconhecidos até hoje. É uma forma de disfunção da articulação e o sintoma mais comum é a inflamação das articulações. A inflamação é seguida por uma intensa dor incessante localizada nas articulações.

A artrite é uma das causas mais comuns de incapacidade. O paciente não só sofre de inflamação e dor, mas também pode perder total ou parcialmente a capacidade de alguns membros (pé, perna, braço, mão), especialmente os movimentos que incluem o uso das articulações. É uma doença antiga, observada até mesmo em múmias de 3000 a.C.

7) Apendicite



A apendicite é uma emergência médica e é causada pela inflamação do apêndice. O sintoma mais marcante é dor abdominal forte, mais localizado do lado direito, na parte debaixo do abdome. Os sintomas imediatos podem ser  dor, vômito e febre.

Em casos de apendicite a cirurgia é primordial. O procedimento cirúrgico é chamado de apendicectomia e o apêndice é removido via laparoscópica. A recuperação total pode ser de 6 a 8 semanas e, então, adeus dor!

ASSINE NOSSO BOLETIM INFORMATIVO
Coloque o seu email:

Você receberá um email, confirme-o para que você possa receber nossas novidades.

6) Hidradenite supurativa


Hidradenite supurativa é uma doença extremamente dolorosa relacionada com a pele e afeta principalmente as áreas que contem o suor ou glândulas sebáceas, ou seja, axilas, área abaixo dos seios, parte interna das coxas e virilha. Pode causar abscessos na área afetada ou cistos que podem aparecer em vários locais do corpo.

Esses abscessos inflamados podem ficar do tamanho de uma bola de tênis e ficam extremamente dolorosos ao toque. Neste caso faz-se drenagem que vai aliviar a dor. É uma doença relativamente rara, ocorrendo entre 1 a cada 300 pessoas.



5) Fibromialgia


Nós temos um tópico só sobre fibromialgia. Leia aqui.

4) Pedra nos rins ou cálculo renal


Os homens são mais propensos a desenvolver cálculo renal do que as mulheres. A dor é localizada entre as costelas e o quadril, área também chamada de flanco. A primeira preocupação nem é a pedra em si, mas a dor que a acompanha. Ela pode ser controlada usando medicações analgésicas e/ou anti-inflamatórias, mas também pode haver necessidade de fazer intervenções dietéticas ou até mesmo cirurgia.



3) Ebola


A febre hemorrágica ebola (FHE) é uma doença infecciosa grave muito rara, frequentemente fatal, causada pelos vírus ebola. Aos contrários dos relatos de ficção é apenas moderadamente contagioso (contato direto). Devido aos padrões de higiene é praticamente impossível haver uma epidemia de ebola nos países ocidentais.

Começa com sintomas parecidos com o da gripe (febre alta, dor de cabeça, falta de apetite) e vai agravando podendo surgir dores no peito, dores abdominais, dores de cabeça, insuficiência hepática, insuficiência renal, distúrbios no cérebro, hemorragias, podendo levar ao coma. Infelizmente não há nenhum tratamento específico aprovado pelo FDA. O que se faz é minimizar os procedimentos invasivos, retenção de eletrólitos e outras medidas de suporte. Mas felizmente há pouquíssimos casos no mundo e acredita-se que ela vá desaparecer.


2) Câncer


A dor do câncer é causada por quase tudo: a própria doença, o tratamento e o período pós-tratamento. Pode doer quando o tumor comprime ou infiltra os tecidos e também os processos que o corpo humano sofre para lutar contra o tumor causam dor. Tratamentos como quimioterapia e radioterapia em alguns casos trazem sintomas incômodos e/ou dolorosos. A boa notícia é que os tratamentos contra o câncer têm sido cada vez mais eficazes e tumores que antes não eram eliminados, hoje já são curáveis e também já há algumas medidas para aliviar a dor desses pacientes.


1) Causalgia ou distrofia simpático reflexa



É classificada dentro das chamadas síndrome de dor pós traumática e é uma das entidades menos compreendidas da medicina. É muito rara (a mais rara desse tópico). Os portadores dessa doença tem uma sensação incessante de dor em braços e pernas, podendo haver descoloração da área e alto grau de sensibilidade.

É tido como um distúrbio multifatorial que inclui inflamação neurogênica, extrema sensibilidade e disfunção vasomotora. O tratamento é complexo e envolve sessões de terapia intensa, medicamentos e tratamentos psicológicos. Pode afetar pessoas de qualquer idade, mas a média é aos 42 anos e é mais comum nas mulheres.



0 comentários:

Post a Comment

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.