Exame da cápsula endoscópica


Em muitos casos, é difícil fechar o diagnóstico da doença de Crohn ou da retocolite ulcerativa. Os exames de imagem são imprescindíveis para isso e hoje vamos falar sobre um deles: a cápsula endoscópica. Já abordamos sobre outros exames, como a colonoscopia e outros métodos diagnósticos.

O que é e como é feito?


A cápsula endoscópica é um exame não invasivo, não requer sedação e praticamente não tem riscos. É um procedimento muito simples e não dói. O paciente engole normalmente uma cápsula descartável que é do tamanho de um comprimido grande (cerca de 2,5 cm), com ajuda de água. Nessa cápsula há uma mini câmera que também é capaz de tirar fotos.


À medida que a cápsula vai passando pelo trato gastrointestinal, ela vai captando imagens e as envia para um gravador que fica na cintura do paciente, onde as imagens serão armazenadas. Essa transmissão das imagens ocorre através de 8 sensores conectados ao abdômen do paciente. Oito horas de duração (tempo da bateria) geram, em média, 50 mil imagens (são tiradas 2 fotos por segundo). Como a cápsula passa por todo o trato gastrointestinal, ela é naturalmente eliminada nas fezes. E o paciente não precisa ficar em repouso, ele pode fazer suas atividades rotineiras moderadamente.


Para que serve?


A cápsula endoscópica alcança lugares que a endoscopia e a colonoscopia não alcançam. No caso da doença de Crohn, que pode afetar o intestino delgado, esse exame é muito importante visto que a colonoscopia não chega até essa parte do intestino (ela alcança todo o cólon e pode chegar até o íleo terminal).

Até a criação desse exame, o intestino delgado era analisado por meio de endoscopia e enteroscopia. Os resultados não eram tão eficazes porque o máximo que esses exames conseguem analisar são 2 metros do intestino, enquanto que a cápsula endoscópica analisa o órgão inteiro. Segundo o dr. Ricardo Leite Ganc, endoscopista do Hospital Israelita Albert Einstein, a cápsula é eficaz em até 80% dos diagnósticos, contra apenas 35% da eficácia de outros exames.

No entanto é importante dizer que a cápsula não substitui a endoscopia e∕ou colonoscopia sendo, portanto, um procedimento coadjuvante, mas é fundamental para as doenças do intestino delgado.

Especificamente para a doença de Crohn: a visibilidade e análise do intestino delgado pode reclassificar a doença de Crohn e até mesmo modificar seu tratamento.



Tem que fazer preparo?

É necessário jejum de 8 a 12 horas. Além disso, deve-se fazer o preparo intestinal (com auxílio de laxativos) para permitir uma boa visualização da mucosa do intestino.

Após 2 horas da ingestão da cápsula pode beber líquidos claros e, após 4 horas, fazer refeições leves.





A cápsula serve só para o diagnóstico da doença de Crohn ou tem outra indicação?


Existem outras doenças ∕ situações clínicas que acometem o intestino delgado e, portanto, também podem ser investigados através da cápsula endoscópica. Dentre elas podemos citar:

  • Doença celíaca
  • Tumores
  • Pólipos ∕ síndromes polipoides
  • Angiectasias hereditárias
  • Diarreia crônica
  • Íleo com sangramento ativo
  • Sangramento intestinal oculto
  • Rejeição no transplante de intestino delgado.

Tem alguma contra indicação?


  • Pacientes que tem obstrução intestinal
  • Pacientes que tem alguma impossibilidade de engolir a cápsula.


                                                                     Fonte: www.ieced.com.ec

ASSINE NOSSO BOLETIM INFORMATIVO

Coloque o seu email:

Você receberá um email, confirme-o para que você possa receber nossas novidades.


Quais as vantagens?


  • Conforto
  • Segurança
  • Mobilidade
  • Não precisa de anestesia
  • Não precisa internar
  • Pode ser aplicada no consultório, em casa e até em pacientes internados na UTI.      


E as desvantagens?


  • Alguns pacientes com estenose não podem fazer esse exame, pois a cápsula pode ficar presa no intestino.
No entanto, para evitar esse problema foi desenvolvida uma nova cápsula, chamada Patency que, se ficar presa no intestino delgado, pode ser localizada por um aparato especial e, caso não seja eliminada, ela se dilui evitando o quadro de oclusão intestinal (É considerado retenção da cápsula quando ela não é eliminada nas fezes em até 14 dias).

  • A cápsula endoscópica não permite biópsia, sendo assim não é possível fazer o estudo histológico de lesões encontradas.

Existe reação adversa?


As reações adversas mais comuns são dores abdominais, náuseas, vômitos e retenção da cápsula.

Dá pra fazer esse exame pelo SUS?


Infelizmente nem todo lugar faz esse exame pelo SUS. E o elevado preço dele é outra desvantagem. Em hospitais particulares esse exame custa de R$3.000 a R$4.000.  


4 comentários:

  1. e os planos de saude fazem reembolso para esse tipo de axame??

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá, vai depender de qual plano você tem, por isso ligue para o plano e pergunte diretamente. Obrigado

      Delete
  2. Eu estou brigando junto ao meu convenio para conseguir.
    Se negarem a cobertura, recorra a ANS e faça uma reclamação informando o número de protocolo que você abriu junto ao convênio.

    ReplyDelete
  3. minha filha fez o exame em Marilia ( hospital da Universidade), o médico mal informado nos fez perder os 4.000 reais do exame pois não fez o exame de forma correta. Médico sem preparo, cuidado com esses canastrões que se aproveitam da fragilidade do paciente e fazem o exame de forma errada. Mas o exame em si é otimo só precisa procurar por medicos capacitados para fazê-lo

    ReplyDelete

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.