Estenoses: Obstrução intestinal

A obstrução intestinal representa uma complicação grave e uma emergência potencial na doença inflamatória intestinal. Particularmente, a fibroestenose intestinal na doença de Crohn é uma intercorrência frequente e debilitante, não só resultado em obstrução do intestino, mas eventualmente, em repetidas ressecções intestinais que podem gerar a síndrome do intestino curto.

Aproximadamente 75% dos pacientes com doença de Crohn necessitarão de cirurgia em alguma etapa da vida e, em metade desses casos, a causa é obstrução ou estenose intestinal. Pelo menos 45% dos pacientes com doença de Crohn estenosante a obstrução pode ser recorrente, ou seja, ocorrem suboclusões de repetição. Nos pacientes com retocolite ulcerativa a estenose é extremamente incomum.

Dependendo do número e extensão, as estenoses são classificas em únicas ou múltiplas, longas ou curtas e também pode ocorrer em áreas virgens (nunca operadas) ou que já sofreram intervenção. Podem evoluir com dilatação intestinal, que é facilmente visto em exames como ressonância do abdome, trânsito intestinal e tomografia. Podem ser assintomáticas até certo ponto mas, em casos avançados, causam cólicas abdominais recorrentes e até mesmo fistulizações secundárias para outros órgãos ou pele.
Para rever os desenhos e explicações destas complicações intestinais, visite nosso post sobre isso clicando aqui



Quais são os sintomas?

O quadro de oclusão intestinal é típico e varia de acordo com a localização da estenose. Nas obstruções mais altas do intestino delgado podem estar presentes vômitos recorrentes, sem distensão abdominal e aumento dos ruídos hidroaéreos. Costuma-se regurgitar uma secreção (que algumas pessoas conhecem por “refluxo”) que geralmente é de cor clara e biliosa. Ocorre também dor abdominal.


Nos quadros de obstrução intestinal baixa, a distensão do abdome geralmente é mais evidente, os vômitos são mais tardios e a secreção regurgitada é escura, de aspecto fecalóide (tipo fezes mesmo). Esse tipo de obstrução é o mais comum na doença de Crohn. Também pode ocorrer distúrbios hidroeletrolíticos como hipocalemia (pouca quantidade de cálcio no sangue) e acidose metabólica em casos mais graves.

Se você apresentou sintomas citados acima, procure seu médico pois se for caso de oclusão intestinal aguda há necessidade de atendimento de urgência.

Como é feito o diagnóstico?

É feito através de exame de sangue (que vão mostrar um aumento da inflamação) e métodos de imagem. Normalmente pede-se raio-X simples do abdômen, que pode evidenciar dilatação do intestino próximo da área obstruída. 


O melhor exame, entretanto, é a tomografia computadorizada de abdômen pois além de permitir uma visualização completa da parede intestinal ocluída, também pode evidenciar a presença ou não de atividade inflamatória através do uso do contraste.


A ressonância magnética é de grande importância no diagnóstico e, principalmente, no acompanhamento da doença, já que evita a irradiação excessiva em quem precisa fazer exames de imagens várias vezes ao longo da vida.



Como é feito o tratamento?

Existem três tipos de tratamento: clínico, endoscópico e cirúrgico.

No tratamento clínico usa-se medicamentos, desde que não haja abscessos ou sepse. Neste caso pode-se utilizar a hidratação venosa (soro na veia) associada ao jejum, sondagem nasogástrica (uma sondinha que é colocada no seu nariz e vai até o estômago ou intestino) e corticoides venosos. Esse tipo de tratamento costuma beneficiar estenoses inflamatórias, mas pode não ser tão eficaz nas estenosos fibróticas. Com isso espera-se que haja redução do edema e diminuição da inflamação.

No tratamento endoscópico existem várias técnicas. A mais comum é chamada de balão hidrostático, na qual há passagem por dentro do endoscópio para causar dilatação. Essa dilatação está indicada principalmente em estenoses curtas e sintomáticas.

Já o tratamento cirúrgico é indicado quando nenhum dos anteriores foi capaz de resolver o problema e então é necessário retirar a parte estenosada cirurgicamente. Cada caso é um caso e os médicos avaliarão a melhor técnica cirúrgica e conversarão com você e sua família sobre os procedimentos.

Para ver indicações cirúrgicas, leia nosso post sobre o assunto.


Queremos lembrar um outro post que fizemos que vai auxiliar nesses casos também. Quando você já sabe que tem estenose e está sentindo os desconfortos causados por ela, além de seguir o tratamento recomendado pelo médico, é interessante modificar sua alimentação para dar um “descanso” para o intestino se recuperar mais rápido. Isso pode ser alcançado com uma dieta pobre em fibras e resíduos, que fará com que suas fezes tenham um tamanho menor e, dessa forma, consigam passar pelo local estenosado (desde que não haja oclusão total). Leia mais sobre isso aqui

2 comentários:

  1. Fiquei chocado com esse probabilidade de ter uma obstrução em algum momento da vida, tenho crohn leve\moderado já operei para retirada de fistulas 2x sera que minha probabilidade de ter obstrução e maior ja que tive fistulas?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Chris Nunes. Fique tranquilo, pois as fístulas não estão relacionadas ao aparecimento de estenoses (que causarão semi obstrução ou obstrução total do intestino). O fato de ter fístula não significa que você vai ter estenose.

      Delete

Muito obrigado pelo seu comentário e/ou pergunta. Responderemos o mais rapidamente possível.

Isenção de responsabilidade

Usando esse blog você o estará fazendo por conta e risco próprios. Não é a pretensão desse blog diagnosticar, medicar, sugerir tratamentos ou induzir mudanças no seu atual tratamento médico. Objetivamos única e exclusivamente informar a respeito das doenças inflamatórias intestinais. Caso você apresente algum sintoma procure um profissional médico. Não descontinue o uso de nenhum medicamento sem antes consultar o seu médico.

Powered by Blogger.